Bem-Vindos ao Blog Escola!

"Educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas. Pessoas transformam o mundo". Paulo Freire


"Competência é a capacidade de mobilizar o que se sabe para realizar o que se deseja. Exerça a sua sempre!" Claudio Fonseca

“A educação é um ato de amor, por isso, um ato de coragem. "Paulo Freire



27 de junho de 2009

Hipóteses da escrita.

Estágio pré-silábico

  • O aluno não estabelece relações entre escrita e pauta sonora
    Realismo nominal: a escrita representaria as características do objeto (Ex. a palavra BOI seria escrita com muitas letras, porque o boi é grande)
    O aluno tem dificuldades em diferenciar letras e números e muitas vezes “escrevem” usando desenhos, rabiscos, garatujas, pseudoletras, números ou alguns destes elementos misturados
    Ao perceber que coisas diferentes têm nomes diferentes, imprime diferenças na grafia das palavras
    Ao ler palavras e orações, não marca a pauta sonora


Estágio silábico

  • O aluno começa a estabelecer relações entre escrita e pauta sonora
    Compreende que o nosso sistema de escrita tem propriedades da palavra e não do objeto representado
    Escreve, no geral, utilizando uma letra para cada sílaba presente na palavra
    Estágio silábico de quantidade: a preocupação é exclusivamente quantitativa, então coloca qualquer letra para representar as sílabas (Ex. OVB – laranja)
    Estágio silábico de qualidade: demonstra preocupação com as correspondências entre escrita e pauta sonora, colocando letras que tenham relação com os sons representados (Ex. AO – bola, AEO – caderno)


Estágio silábico-alfabético

  • Os aprendizes começam a perceber que “as sílabas podem ser compostas de unidades menores (fonemas)” e começam a colocar mais letras em cada sílaba;
    Não há consistência quanto a tais relações: algumas sílabas são representadas por uma letra e outras por mais de uma letra


Estágio alfabético

  • Inicialmente os alunos tendem a representar as sílabas com uma estrutura consoante – vogal. Gradativamente, começam a incorporar os conhecimentos de que as sílabas podem variar quanto às combinações.
    Os alunos começam a perceber que “as regras de correspondência grafofônica são ortográficas e não fonéticas”.

Fonte: http://www.ce.ufpe.br/cfp/Docs/Pscog.ppt#1


Nenhum comentário: